domingo, dezembro 18, 2011

INVERNOS






Soneto ao inverno

Inverno, doce inverno das manhãs
Translúcidas, tardias e distantes
Propício ao sentimento das irmãs
E ao mistério da carne das amantes:

Quem és, que transfiguras as maçãs
Em iluminações dessemelhantes
E enlouqueces as rosas temporãs
Rosa-dos-ventos, rosa dos instantes?

Por que ruflaste as tremulantes asas
Alma do céu? o amor das coisas várias
Fez-te migrar – inverno sobre casas!

Anjo tutelar das luminárias
Preservador de santas e de estrelas...
Que importa a noite lúgubre escondê-las?


vinicius de morais

Londres, 1939

INVERNOS





quarta-feira, outubro 19, 2011

INÊS






INÊS





INÊS





A execução de Inês de Castro foi decretada por uma sentença real e motivada por imperativos políticos. Ao subir ao trono, D. Pedro, que tinha jurado perdoar os “matadores” de Inês, decidido a vingar a única mulher que amou, quebra esse juramento e proclama Inês, depois de morta, Rainha de Portugal.
Peça representada pelo grupo Fatias de Cá, no Mosteiro de Santa Clara a Velha
autoria de João Aguiar

domingo, agosto 28, 2011

COIMBRA111






Coimbra 1111 será um divertimento teatral muito sério. Sarracenos, mouras encantadas e espíritos de tempos passados juntam-se a atores, taberneiros e soldados numa aventura medieval pela Coimbra dos nossos dias. Ou será uma aventura moderna pela Coimbra medieval? Só vendo.

Tendo início do museu da água, Coimbra 1111 é um espetáculo de rua que desafia o espectador a fazer um percurso pela zona histórica de Coimbra, das margens do Mondego ao casco da Sé.Coimbra 1111 será uma celebração que a comunidade fará sobre a sua cidade, destinada a todos, locais e forasteiros. Atores d’O Teatrão e de companhias amadoras, alunos das classes de teatro da companhia, músicos, repúblicos e habitantes do centro histórico pegarão em formas de teatro popular e ritual para partir à conquista de Coimbra.

COIMBRA 1111








COIMBRA 1111